Paraíso Fiscal

Patrimônio de Guedes e de Campos Neto em paraísos fiscais aumentou 38,3%

Não à toda, Paulo Guedes diz, em alto e bom som, que um dólar acima de R$ 5 é bom.

Por Hélder Loureiro Pegado

03/10/2021 às 22:34:05 - Atualizado há
Conhecedores dos meandros do mercado financeiro e dos mecanismos para fugir das garras da Receita Federal, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, não têm dos que reclamar. Mesmo com todas as turbulências políticas no país, com o crescimento pífio da economia e a inflação dando uma sova no orçamento das famílias, Guedes e Campos Neto viram o patrimônio que eles têm depositados em paraísos fiscais aumentar 38,3% desde que assumiram seus cargos no governo de Jair Bolsonaro.

No último dia do governo de Michel Temer, 31 de dezembro de 2018, o dólar estava cotado a R$ 3,881. Na última sexta-feira (1º de outubro), a moeda norte-americana valia R$ 5,368. Portanto, quanto mais o dólar sobe, mais ricos ficam Guedes e Campos Neto, cujas contas em paraísos fiscais foram reveladas por um consórcio internacional de jornalistas.

No mesmo período, a renda do trabalhador teve perda real de 18,29%. Em 31 de dezembro de 2018, o salário médio dos brasileiros era de R$ 2.254, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Quando descontada a inflação (para 2021, o cálculo inclui a projeção de 8,5% do Banco Central, o rendimento médio fica em R$ 1.905.

Não à toda, Paulo Guedes diz, em alto e bom som, que um dólar acima de R$ 5 é bom. Certamente, está falando em benefício próprio, pois, para os brasileiros comuns, quanto mais a moeda norte-americana sobe, pior. O dólar encarece dos combustíveis a medicamentos.
Pautando a Conversa

© 2021 Paraíba Em Pauta - Jornalismo Plural, de Interesse Público! Todos os direitos reservados à Pauta Comunicação & Assessoria.
Rua Vigário Calixto, 1754, Catolé, Campina Grande, Paraíba, Brasil.

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Pautando a Conversa