Política Economia

Mudança no controle do Orçamento tira Guedes da "linha de frente", dizem aliados do ministro

Na visão do grupo, a decisão publicada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) nesta quinta-feira, (13), é positiva por deixar na responsabilidade de Ciro Nogueira (PP), um dos líderes do centrão, a negociação da distribuição dos valores.

Por Hélder Loureiro Pegado

13/01/2022 às 15:49:57 - Atualizado há

O decreto que dá à Casa Civil o poder de decisão sobre o Orçamento tira o ministro da Economia, Paulo Guedes, da "linha de frente" na disputa pelos recursos às vésperas da eleição, afirmaram auxiliares da equipe econômica à Rádio Jovem Pan em caráter reservado. Na visão do grupo, a decisão publicada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) nesta quinta-feira, (13), é positiva por deixar na responsabilidade de Ciro Nogueira (PP), um dos líderes do centrão, a negociação da distribuição dos valores.

A medida foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta manhã após uma reunião entre Guedes e Bolsonaro na tarde desta quarta-feira, (12). O texto prevê que a Economia ficará responsável por ações como a reabertura de créditos especiais ou extraordinários e o remanejamento de verbas, mas os movimentos ficarão condicionadas "à manifestação prévia favorável do Ministro de Estado Chefe da Casa Civil da Presidência da República". Interlocutores do ministro chamam a atenção para a escalada de pressões pelo aumento dos gastos em meio ao processo eleitoral. Para os membros da equipe econômica, a pressão passa a ficar em cima do chefe da Casa Civil, que deve filtrar as demandas que serão atendidas.

A mudança também deve blindar a imagem de Guedes junto ao setor privado, que vê na figura do ministro o principal fiador da responsabilidade fiscal. A posição do chefe da equipe econômica ficou bastante abalada após o apoio do ministério na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, que mudou regras do teto de gastos e ampliou o espaço no Orçamento para turbinar o pagamento do Auxílio Brasil. Agora, frisam os aliados, a gestão dos recursos fica centralizada na Casa Civil, que vai precisar assumir as consequências das decisões.

Fonte: Com Jovem Pan
Comunicar erro
Paraiba Em Pauta

© 2022 Paraíba Em Pauta - Jornalismo Plural, de Interesse Público! Todos os direitos reservados à Pauta Comunicação & Assessoria.
Rua Vigário Calixto, 1754, Catolé, Campina Grande, Paraíba, Brasil.

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Paraiba Em Pauta